HOME SOBRE DIÁRIO DE VIAGEM LÍNGUA PERSA SEU GUIA FAQ CONTATO LOJINHA

Quem é a "Moça do Chá"?

Auto-retrato como Khorshid Khanum, personagem do folclore iraniano
Salam amigos! Eu sou Janaina Elias, autora e administradora do blog Chá-de Lima da Pérsia, a sua ponte entre o Brasil e o Irã! 
Sou brasileira, nasci em São Paulo, tenho 30 anos e atualmente moro na cidade de Itapevi, na Grande São Paulo. Sou graduada em Artes Visuais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Atuo como artista visual, designer gráfica, pesquisadora autônoma e educadora. 
Uma típica aquariana, estou sempre procurando novas formas de ver o mundo e  fazer as coisas de um jeito que ninguém jamais teria pensado. Também sou uma leitora ávida por blogs e livros, uma escritora compulsiva, tenho interesse por temas místicos e metafísicos e busco o conhecimento independente de qualquer crença. Sou apaixonada por culturas, pela diversidade dos povos e pela convivência harmoniosa entre diferentes pensamentos. Gosto de me definir como uma "ponte" porque meu trabalho me possibilita conectar pessoas e promover amizades de modo indireto.  
Sim, eu adoro tomar chá, gosto de conversas entre amigos, mas prefiro o recolhimento e a introspecção na maior parte do tempo em minha vida pessoal.  Por isso encontrei na "Moça do Chá", a expressão perfeita da minha personalidade calma, introvertida e acolhedora, mas que adora falar sobre sua maior paixão: o Irã. 
Criei o blog Chá-de-Lima da Pérsia em janeiro de 2012 com o único objetivo de entender melhor a cultura iraniana, mas com o passar do tempo ele foi se tornando uma grande fonte de referências sobre esta cultura em língua portuguesa. Entre agosto e setembro de 2013 visitei o Irã, e este foi o meu maior sonho realizado.

Como também sou contadora de histórias nas horas vagas, gostaria de compartilhar com vocês um conto muito especial:
Era uma vez menina de uma cidade pequena que adorava ler. Em um tempo onde a internet não era assim tão acessível, ela era uma típica ratinha de biblioteca. Gostava de ler todo tipo de literatura, de romances de banca de jornal até enciclopédias. O prazer que a leitura lhe dava era algo tão grande e inexplicável que ela não conseguia parar de ler. Até mesmo durante as aulas na escola, quando ela terminava as lições, tinha sempre um livro sobre a carteira para ler até a aula terminar. Mas acontece que ela não se contentava somente com a leitura. Ela adorava imaginar aquilo que ela lia e de vez em quando transportar para o papel em forma de desenhos. E suas histórias favoritas eram os contos vindos do Oriente como as Mil e uma noites, ou até mesmo As Novas Lendas orientais de Malba Tahan. Foram estes livros que a transportaram pela primeira vez para um país chamado Pérsia... 
A Pérsia que a menina conhecia através dos livros era mágica! Era uma terra de lendas e aventuras, de magos e sábios eruditos como o astuto persa Beremiz Samir de O homem que calculava. A Pérsia era tão distante e desconhecida, mas por algum motivo ela adorava a sonoridade do nome de uma fruta cítrica chamada lima-da-pérsia. Um olhar descompromissado no verbete de uma enciclopédia a fez descobrir que a Pérsia, era o antigo nome do atual Irã. 
Mas o Irã... O Irã que lhe vinha a mente, era o Irã das notícias de TV. Um país fechado, cinzento e melancólico, dominado por velhos aiatolás, cuja imagem mais marcante era o de rostos emoldurados por véus e turbantes negros. Tão, tão distante da sedutora Pérsia dos livros de contos...
Um dia, ela viu um filme iraniano chamado O Balão Branco, e viu que o Irã também tinha outras cores além do cinza e negro. O Irã também tinha o Véu Azul e a Cor do Paraíso, aliás, também esses eram títulos de outros filmes que ela passou a gostar cada vez mais de assistir. Mas o Irã continuou ali, emoldurado pelo cativante mistério daquele cinema que a maioria dos espectadores ocidentais, fora do circuito dos artistas intelectuais considerava como "filmes parados". Mas a nossa garota, gostava mesmo assim daqueles filmes. 
Anos depois, quando a internet se tornou acessível para ela, assim como para o mundo todo, o Youtube se tornou o seu maior passatempo. Nas férias, eram até três filmes iranianos seguidos!  Ah, nem preciso dizer que seu segundo maior passatempo era ler blogs. Ela seguia todos os blogs sobre islamismo, cultura árabe, cinema indiano, viagens à Turquia... Seu terceiro maior hobby, era estudar idiomas naqueles sites que era possível entrar em um chat e praticar os idiomas com pessoas do mundo todo. 
E foi assim, estudando árabe, turco e inglês, que uma porção de iranianos começaram a puxar papo. Ela dizia a eles que tinha vontade de conhecer todo os países árabes e a Turquia, mas o Irã... sei lá... apesar de assistir tantos filmes e documentários o Irã ainda continuava meio sinistro. Mas não custava nada tentar aprender a língua persa, já que ela já dominava o alfabeto árabe e a sonoridade da língua era muito bonita.
Mais alguns anos se passaram, e ela continuava mantendo contato com estes iranianos da internet. Eles eram pessoas tão amistosas, sensíveis e cultas que até a inspiraram a criar seu próprio blog sobre cultura iraniana! E foi quase como um sonho o dia em que ela finalmente pousou nas terras da Pérsia. Enquanto o avião aterrissava no aeroporto de Teerã, ela derramava muitas lágrimas, mas já não eram lágrimas de medo e sim da mais pura emoção...
Bem amigos, conseguiram adivinhar quem é esta menina da historinha? Muito prazer, sou eu! Janaina Elias, a "Moça do Chá" que hoje vos escreve! 

Quer me fazer mais perguntas? Então clica aqui!